Viagens baratas no Brasil: 5 lugares imperdíveis para conhecer ainda esse ano

Quais lugares do nosso país você tem vontade de conhecer? Sabia que fazer viagens baratas e sem perrengues pelo Brasil é totalmente possível?

É verdade que há muita estrada ruim e alguns destinos bem salgados… mas, existem muitos outros, perto de você, que você pode conhecer já.

Vamos combinar que, a menos que você tenha dinheiro sobrando e (tempo!), não dá para fazer viagens longas e nem ao exterior o tempo todo. E, não sei vocês, mas viajar só nas férias pra mim, não dá…

viagens baratas_por do sol_lencois maranhenses
Pôr do sol, sem filtro, em um dos passeios nos Lençóis Maranhenses

Por que então, não dar uma chance ao nosso Brasil, descobrir vários lugares incríveis, com ótimo custo x benefício e deixar aquela trip pra Paris para quando for possível e menos caro, ein?

Nosso país tem opções para todos os gostos e bolsos claro, mas, como o foco do blog é mais voltado à natureza, ecoturismo e botar o corpinho para trabalhar, vou me concentrar nesses destinos aqui nesse post.

Mas não se preocupe, todos os destinos aqui são indicados para todas as pessoas!

Listei aqui 5 viagens baratas e imperdíveis para você fazer no Brasil ainda esse ano:

  1. Carrancas/ MG

O meu crush do mundo é Minas Gerais, falo isso sempre, mas eu garanto que quem der uma (ou várias chances) a esse estado tão rico, não vai se decepcionar.

Para começar, não há nada mais barato nesse país, principalmente para quem já está no Sudeste. E, para quem não sabe, poucos lugares escondem tantas belezas naturais e cachoeiras quanto a terra do pão de queijo.

viagens baratas_cachoeira da fumaça_mg
Uma das locações favoritas da Globo, a Cachoeira da Fumaça é perigosa. O banho é proibido por lá, mas é linda!

Carrancas é daquelas cidades que você vê nas novelas da Globo, algumas das novelas de época foram filmadas por lá, inclusive.

São oito complexos para visitação, sendo que cinco são pagos (não passam de R$25) e muitas, muitas cachoeiras… além de trechos originais da Estrada Real – quem ai também ama história?

viagens baratas_poço esmeralda_mg
Banho no poço esmeralda… GRÁTIS!

Dica 1: Vá de carro e reserve, pelo menos, 3 dias inteiros.

Dica 2: Se hospede na Pousada Céu e Serra… que amor. Lógico, você pode se hospedar onde quiser, mas se você conhecer essa pousada, duvido você querer procurar outra.

Não é a mais barata – então, fique em outra se isso for um problema, desde que você vá – mas, valeu cada centavo a experiência de um chalé no alto do morro, com vista para o por do sol.

IMG_1569_Easy-Resize.com
Nossa carta… S2

Além de ser um lugar lindo e aconchegante, eles ainda nos serviram, de presente, um pavê – pelo aniversário de um amigo e o meu – com direito a um cartão. Fizemos um mini piquenique, no deck do chalé, vendo o por do sol. Inesquecível pra mim!

Visite: O Complexo da Zilda, a Cachoeira da Fumaça, o Poço Esmeralda, o Complexo Grão Mogol – o único que exige entrada com guia e que SUPER vale a pena,  a Cachoeira do Moinho, que fica ao lado da Pousada e custa apenas R$5 para entrar e o por do sol no Pico da Teta.

Três dias na cidade, fazendo várias coisas,  nos custou cerca de R$500 (Abril/ 2018) – considerando gastos com gasolina, hospedagem, uma diária do guia e entrada dos locais visitados. Como há vários campings e outras pousadas, esse custo pode ficar ainda menor.

viagens baratas_carrancas_mg
Lugar ideal para bancar a Jane – Complexo Grão Mogol
viagens baratas_grao mogol_mg
E o poço verde, lindo, ao final da caminhada no Grão Mogol

Alguns restaurantes que indico: Uai Tchê, Cataguas Brasil e o lindinho Viradas do Largo (rende umas boas fotos ein).

2. Urubici/ SC

Eu nem sei falar, só sentir… foi o meu lugar favorito de 2018. É uma cidade de serra, fria, linda e perfeita para família, casal, amigos, todo mundo. Urubici serve de base para o início da viagem que terminará no final da Serra do Rio do Rastro, na cidade de Lauro Miller.

viagens baratas_morro campestre ou da cruz_sc
Uma vista privilegiada, incrível e perigosinha (de derrapar o carro) – o Morro do Campestre, é ideal para uma tarde e um por do sol

Para essa viagem eu diria que quatro dias é bom, mas se você for de carro, como eu, dependendo de onde você partir, vai ser um pouquinho cansativo.

Saímos de SP e rodamos cerca de 2.400 km em quatro dias, nas estradas mais lindas que eu já vi no Brasil. Não nos arrependemos nem um pouco.

Urubici fica a 172 km de Florianópolis e do lado de São Joaquim – a cidade onde, às vezes, neva no inverno e de Bom Jardim da Serra, onde fica a famosa Serra do Rio do Rastro. Que lugar!

Dica: Alugue uma casinha de montanha ou chalé com lareira. Eu indico a Pousada e Casa de Campo Doce Vida. Casa linda, de madeira, com lareira e fogão a lenha e vista para o verde e os cavalinhos, soltos. Eles têm quartos e casas inteiras para alugar.

Visite: a Serra do Corvo Branco, o Morro do Campestre, a Cachoeira do Avencal, a Cascata Véu de Noiva, alguns mirantes pela cidade, além do Mirante da Serra do Rio do Rastro, e por favor, desça a Serra de mesmo nome (e haja freio!), sem pressa e ouvindo um som bem marcante, porque essa serra é uma EXPERIÊNCIA à parte. Ouvíamos “I CAN´T STOP LOVIN YOU”, mas teve Chiclete com Banana, Cher e Will Smith também rsrs.

viagens baratas_cascata avencal_sc
A Cascata do Avencal é vista de longe, na estrada, mas podemos chegar bem pertinho nesse parque.

Uma frustração: Não ter conseguido chegar na base da Cachoeira do Avencal e nem fazer o rapel nela, por falta de informações. Faça pelo menos a trilha, se puder.

Com um carro a diesel, nosso gasto com combustível saiu por cerca de R$250, pasmem. No total, gastamos cerca de R$500. Nossa refeição mais cara foi a pizza HEHE, porque não há muita opção na região, à noite.

3. Ilha Grande/ RJ

O Rio de Janeiro é lindo, acho que todo mundo ou quase todo mundo concorda, né? Mas, a Ilha Grande… poxa vida, que visu. Ela é a maior ilha da Baía de Angra dos Reis.

viagens baratas_ilha grande_rj
A Praia do Bananal Pequeno era só nossa e só piscina…

Fica a 47 km de Angra dos Reis, onde deixamos o carro e seguimos de lancha, pois carros não entram na ilha. Há vários estacionamentos onde você pode deixar o veículo por quantos dias quiser – pago, claro. A Ilha Grande tem 193 km² e acreditam que, no passado, essa beleza era um lugar para receber presos?

Normalmente, a maioria das pessoas fica na Vila do Abraão, que é mais movimentada. Porém, se você puder, se hospede em outras praias mais desertas. Há opções de aluguel pelo AirBnb e pousadas, além de hostels também.

Dica: Se for em grupo, feche uma lancha só para vocês, por pelo menos, dois dias inteiros. Fica mais cômodo e mais barato. Negocie com os moradores da Ilha ao invés de negociar com o pessoal no continente, é mais barato e mais justo não? Afinal, eles vivem na Ilha Grande e dela tiram a sobrevivência.

Se o orçamento estiver muito curto, vá mesmo assim, se hospede no Abraão ou mesmo em camping, e faça tudo o que puder a pé. Aproveite as trilhas e as praias próximas.

viagens baratas_praia do aventureiro_passeio
A maioria das praias é assim: piscina e água clarinha. Uma das mais bonitas é a Praia do Aventureiro.

Visite: Faça o passeio que contorna a ilha e para em diversas praias lindas – Dentista, Ilhas Botinas, Dois Rios, Parnaioca, entre outras. Visite também a Praia do Aventureiro, onde você pode até acampar, lá está o famoso coqueiro deitado. Não suba nele, please! E nela mesmo você toma o melhor sacolé (geladinho) do mundo, por R$6. Visite também, o mangue e praia Saco do Céu e almoce por lá. Que paraíso!

IMG-20180213-WA0022_Easy-Resize.com
O famoso coqueiro… não suba nele, mas pode aproveitar as pedras por lá

Quatro dias é o mínimo para não sair de lá frustrado, mas, a gente sabe que sempre pode voltar. Há muito o que fazer, mesmo. Nossos gastos por lá, foram de cerca de R$700, porque levamos comida para fazer na nossa cabana exclusiva, na Praia do Bananal Pequeno. Não, não procure essa cabana, a praia é incrível, mas a casa, só por Deus…rsrs uma longa história, que fica pra outro post.

4. Sengés/ PR

Esse tem até post completo aqui. Fui conhecer essa cidadezinha no interior do Paraná, no Carnaval/ 2019. Mas, ninguém no grupo sabia o que era, onde era e o que veríamos lá, mas, grazaDeus, confiaram em mim.

VIAGENS BARATAS_canion jaguaricatu_paraná
O cânion do Jaguaricatú tem uma das vistas mais chocantes que já vi no meu Brasil

Seguimos de carro por 361 km em busca de sossego e cachoeiras. Achamos muito, dos dois!

A cidade é bem pequena, tem cerca de 20 mil habitantes, zero vida noturna e muita natureza – gratuita – para curtir. Não pagamos uma atração sequer.

Dica: Ir de carro ou alugar um ao chegar no aeroporto de Curitiba, o mais próximo. Assim, fica bem fácil conhecer tudo, sem precisar pagar um guia.

Todos os detalhes dessa linda viagem, a mais econômica dessa lista, clique aqui.

viagens baratas_cachoeira véu da noiva_pr
Por onde você for, sempre haverá uma Véu da Noiva pra visitar… e essa é demais!

5. Lençóis Maranhenses/ MA

Se você ainda acha que para conhecer um dos maiores paraísos do Brasil, os Lençóis Maranhenses, precisa de MUITO dinheiro, está errado.

O gasto é maior que o das opções acima, claro, mas totalmente viável e por isso, quis colocá-lo aqui.

Dica: Vá fora de temporada, mas não esqueça de conferir o nível de água das lagoas antes. Eu visitei em Outubro/ 2018, vi água, comi bem, fiz passeios e NÃO vi muvuca. Quem me conhece sabe que eu fujo mesmo dos lugares cheios.

IMG-8136_Easy-Resize.com
Adoro fazer o coração rs… um dos vários lugares privilegiados para ver o por do sol

Quatro dias são suficientes para que você conheça a região, se hospedando em Barreirinhas. Eu escrevi todos os detalhes da minha viagem nesse post, e o melhor, gastei cerca de R$1000 em tudo – o que descobri com outras pessoas que foram que eu fiz milagre – ou seria planejamento? rs

A dica maior é: se hospedar bem, mas sem frescuras, fugir da alta temporada e aproveitar as promoções de passagens com dinheiro ou pontos.

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses tem muitas atrações, inclusive uma travessia de 2 ou 3 dias, se hospedando com as famílias locais, mas quatro dias já é bom para começar. Ainda volto para essa travessia, Quem vamos comigo?

Todo brasileiro devia visitar esses paraísos pelo menos uma vez na vida! E muitos outros que ainda vamos descobrir.

Infelizmente, o Norte e o Centro-Oeste do Brasil não estão aqui ainda, porque preciso, URGENTEMENTE, conhecer. Planos? Sempre tenho…

two orange and blue macaws on branch
Foto por Jonny Lew em Pexels.com

#TurismoNoBrasil

Se animou de visitar algum? Viu alguma novidade nesse post? Comenta aí embaixo e deixe suas dúvidas também, vou adorar ajudar nos seus planos de viagens.

Bjs

Thaise

 

 

Sengés-PR: 4 dias de cachoeiras e belezas naturais

Quer passar 4 dias de cachoeiras e belezas naturais gastando pouco? Então, está na hora de conhecer Sengés, no Paraná.

Foi lá que decidi passar o carnaval 2019, tentando fugir dessa festa que não é nada minha cara.

Então… como estou focada nas férias esse ano, reforma, cursos (vida adulta é isso!), os rolês do primeiro semestre TÊM que ser baratos. Vocês me entendem?!

img_8636_Easy-Resize.com

Mas, aliás, como dizem por aí, vamos parar de choradeira com esses problemas de branco e vamos à luta! Quer dizer, viagem.

Eu queria um lugar barato, fora de São Paulo e sem carnaval, afinal não é minha data favorita. Pensei em 10 lugares antes de decidir ir pra lá. Arrependida?! Não mesmo.

Portanto, se você curte lugar bonito, natureza e ama viajar de carro como eu, essa viagem é pra você!

Por onde começar?

Ter pelo menos 3 dias inteiros é a pedida.

Importante escolher o lugar mais estratégico para se hospedar, para não se cansar tanto nos trajetos, bem como não gastar tanto combustível.

Além disso, escolher uma boa época, por causa do clima. A região sul é mais fria em boa parte do ano.

Recomendo ir de carro, a menos que queira contratar algum guia e na minha opinião, não há necessidade.

Como chegar?

O aeroporto mais próximo é o de Curitiba, mas você vai precisar de carro mesmo assim.

Saindo de SP, seguimos por cerca de 400 km até Jaguariaíva, uma cidade depois de Sengés, onde nos hospedamos.

IMG_8318_Easy-Resize.com

A cidade grande mais próxima é Itararé, ainda em São Paulo e Ponta Grossa, essa já no Paraná. Lugares bacanas e baratos para visitar também!

Hospedagem

Em Sengés, pelo menos pela internet, encontrei apenas uma hospedagem e estava lotada. Mas, me informaram, que há mais opções sim, a luta é encontrá-las se não estão on-line.

A opção mais fácil e econômica que achei foi em Jaguariaíva. Há opções em Itararé também.

Ficamos no Hotel Conde Matarazzo, reservei pelo Booking – reserve através do programa Multiplus e ganhe pontos que viram milhas – falo sobre isso nesse post aqui. Mas você pode reservar por telefone também.

O wi-fi não é dos melhores nos quartos, mas quem viaja comigo sabe, não faço questão alguma, então eu nem me atento à isso nas reservas.

É mais uma pousadinha do que um hotel, tudo na região é bem simples. Tem café da manhã, muito básico, com duas frutas, suco artificial, bolo, pães e frios, café e leite.

As 4 diárias saíram por R$150/ pessoa – quarto triplo ou R$165 em quarto duplo. Pechincha! Para o nosso tipo de viagem, achamos suficiente, fomos apenas para dormir.

Essa é a mascotinha do hotel…

IMG_8244_Easy-Resize.com

Mas também, vimos dois outros lugares muito bons também, que serão minhas opções nas próximas visitas – Pousada San Juan e Hotel Conde Alemão.

Roteiro

Vimos que se ficássemos uma semana toda teríamos o que fazer, mas tínhamos os quatro dias do carnaval apenas, sendo que o último dia é só aquela correria para voltar pra casa.

Encontramos pouca informação em blogs – e não conhecíamos ninguém que tinha ido – e um que ajudou muito foi o da Aline do Blog Uma Sulamericana.

Enfim, decidimos fazer assim:

Dia 1 – Cachoeira do Lago Azul + Cachoeira da Andorinha

Dia 2 – Trilha das 7 Cachoeiras – 14 km

Dia 3 – Cachoeira do Navio, Cachoeira do Erva Doce, Cachoeira do Sobradinho (Véu da Noiva) e Cânion de Jaguaricatu

Dia 4 – Mirante da Cachoeira do Corisco

Refeições em Jaguá (íntima já!)

Gente, pense em um lugar BBB? Ficamos impressionados e animados com os precinhos camaradas – o que certamente não significa má qualidade.

Um curitibano me disse que são preços normais e que nós, paulistas, somos ricos mesmo rs enfim, eu achei muito em conta.

pexels-photo-210600_Easy-Resize.com

Aliás, em Sengés eu me lembro de ter visto apenas uma padaria aberta nos dias que passamos por lá, tudo bem simples mesmo.

Em Jaguá, comemos em buffet à vontade por R$22,90. Jantamos lanches fartos – x-tudo, x-salada – por R$10. Comemos pizza bem recheada por R$20. Vi até mega coxinha por R$5. Meu Deus!!! HA HA

burrito chicken delicious dinner
Foto por Pixabay em Pexels.com

E aí? Barato ou não?

Detalhes

Em resumo, a cidade de Jaguariaíva possui apenas uma farmácia 24h, a farmácia dos Trabalhadores. A cidade tem Bradesco, Caixa Econômica e Itáu e não existe vida noturna, então, quem gosta de sair costuma ir à Itararé, que fica a cerca de 56 km.

group of people raising hands silhouette photography
Foto por Chad Kirchoff em Pexels.com

Internet por lá, se 4G, só a TIM funcionou – testamos Vivo, Tim e Nextel.

Há uma borracharia na cidade e outra na rodovia, essa 24h. Nós precisamos! Um parafuso furou o pneu do carro e só vimos antes de pegar estrada.

E todos os lugares que visitamos aceitam cartão.

Sobre os proibidos

Com certeza você vai ver fotos do Poço do Encanto e do Pontilhão Parque da Barreira. Sim, você vai querer tirar fotos, entretanto, estão proibidos e fechados.

O Poço fica dentro de uma propriedade particular, que pertence à uma empresa chilena e não há acesso. Além disso, soubemos que a água também não está própria para banho.

Roteiro-Itararé-e-Sengés-4-dias-de-feriado-prolongado-no-limite-São-Paulo-e-Paraná-Poço-do-Encanto.jpg
Foto do blog Uma Sul Americana

Não lembro bem do relato dela sobre o poço, mas podem conferir no blog. Na cidade fomos avisados que agora há vigilantes por lá. Eu não estava muito afim de tomar tiro dessa vez HAHAHA

Comentário: andei vendo umas propagandas de Itararé usando esse poço como se fosse deles. Estamos de olho!

Cachoeira do Lago Azul + Cachoeira da Andorinha

Se eu contar ninguém acredita rs fica há apenas 20 min do centro de Jaguá e ainda assim, conseguimos nos perder.

Embora placas na cidade sejam coisa quase rara, para não dizer inexistente… erramos a entrada que dava acesso ao estacionamento, MAS, como sempre, o erro deu bom. Postei no stories do instagram e deixei nos destaques.

Não fosse isso, não teríamos encontrado uma linda estrada de terra cheia de eucaliptos e outras cheias de pinheiros. Claro que teve sessão de fotos!

IMG_5661_Easy-Resize.com

Nossa sorte foi que não estava chovendo, o carro era mais alto e que, tínhamos o drone.

Não há necessidade de ser um veículo 4×4, mas os carros baixos sofrem um pouco naquelas bandas.

435EFB9D-652D-427B-B619-105A4D8EAD69.JPG
Vou contar no stories (Instagram) o segredo por trás desse céu 🙂

Sim, precisamos colocá-lo no ar para achar o que queríamos e ainda assim, quase não deu.

No fim, paramos no fim do percurso, sentido contrário, onde pelo que vimos, ninguém vai. Paramos o carro às margens do rio, descemos poucos metros no meio do mato em um pouco de lama e chegamos.

Curtimos o primeiro trecho de piscina e queda do rio Jaguaricatu e fomos descendo pelo próprio rio, que não passa da canela, parando em alguns lugares até chegar à Cachoeira das Andorinhas e depois, ao lago azul.

Nesse caminho encontramos o Carlos e a Bel e resolvemos pedir informação sobre o tal lago azul. Se não fosse por eles, teríamos voltado porque não havia ninguém além de nós e nenhuma sinalização.

61796ef5-297b-42b2-a1e4-32293eb9614f_Easy-Resize.com

Para pegar a trilha até a Cachoeira das Andorinhas, andamos no rio e antes da queda d’água mais forte, entramos na trilha à esquerda. A trilha é fácil e segue até à cachoeira. Para acessar a queda e a piscina, é preciso trepar num cipó (mais conhecido como raíz), mas é bem tranquilo.

8729ff0e-13e3-4069-93fa-35a55800d942_Easy-Resize.com

Ali já encontramos uma meia dúzia de pessoas lendo, tomando banho… não tem lugar para sentar à não ser nas pedras. Subindo as rochas, é possível ver o precipício que a queda forma e que termina em um cânion. Surreal!

Mas não só é um local mais perigoso, como também, desnecessário. Mas para quem faz questão, só não morrer, por favor.

 

Subindo pela trilha há um mirante onde você pode ver a queda de cima e é muito mais seguro.

IMG_7860_Easy-Resize.com

Antes da cachoeira há uma trilha para a parte de dentro do cânion, queríamos muito fazer, mas como demoramos para nos achar, deixamos para outro dia. Entretanto, esse dia não chegou e ficou pra próxima mesmo.

IMG_7884_Easy-Resize.com

Na volta, encontramos uma padaria em Jaguariaíva, na rua do hotel, única melhorzinha que encontramos aberta, onde jantamos um belo lanche por R$10.

Uma coisa sobre os moradores: que povo simpático e fofo! Não sei vocês, mas já ouvi muito falar sobre a falta de hospitalidade do povo do sul, mas eu até hoje, não provei dela. GrazaDeus!

Gasto do dia: R$30 – almoço + lanche + bebida

Trilhas das 7 cachoeiras – 14 Km

Se não tivesse uma trilha, não seria eu né não?rs Claro, porque a galera topou. Tudo é democraticamente decidido nessas viagens.

Para esse dia precisamos contratar um guia, única vez aliás, e infelizmente, também foi difícil encontrar um. Depois de muito pesquisar, um dos amigos encontrou um rapaz novinho, que apelidamos de Toddinho HA HA, e que cobrou super barato.

Como somos meio sem parafuso, fomos. Sempre com lanterna, bússola, canivete, mapa off-line!

Aliás, logo menos, vou fazer um post com dicas do que levar para as trilhas e vou indicar perfis e blogs que são experts nesse assunto, onde aprendo muito.

Não vou divulgar o nome dele aqui, primeiro porque é muito jovem, segundo porque ainda não tem cadastro no Cadastur – não é um guia oficial. Portanto, posso acabar com sua carreira sem nem tê-la começado ainda rs

Posso dizer que deu tudo certo! Visitamos 5 cachoeiras na verdade… mas, porque descobrimos que eles contam duas vezes uma mesma cachoeira que tenha duas quedas.

Encontramos o Toddinho em Itararé e de lá, voltamos para Sengés para seguir até a Cachoeira do Postinho, a primeira parada da trilha.

O caminho é basicamente de terra e campos de soja. O visual é muito lindo nessa região! Há muitos agricultores por ali. E falando nisso, você sabia que o Paraná é o maior produtor de grãos do Brasil?

images (4)
osmais.com

No caminho, paramos na casa da Dona Augusta, que serve, sob encomenda, um café da roça ao final do dia para os trilheiros cansados. Fizemos a encomenda e partimos para a trilha.

Há um estacionamento antes de começar o percurso e de lá, caminhamos cerca de 5 min até a primeira cachoeira.

De cara, já ficamos bestas com a vista linda da região, de muitos pinheiros e aquela água cor de coca-cola. E demos muita sorte com tempo aberto e firme (mesmo com a previsão horrível que vimos dias antes!)

31925FB6-A099-423E-A2D4-207FCA7021C6.jpg

Começamos na parte alta da Cachoeira do Postinho e aproveitamos para fazer umas imagens de drone.

Depois dela, não passamos na segunda cachu, segundo o guia, não tão interessante quanto o resto das quedas e então, seguimos para uma subida tranquila #sqn. O bom é que tudo é tão bonito que nem sofremos.

59E68B94-1B00-4089-B9C3-E99DE939BD1C
Quem viu a corda de rapel, é viciado como eu!rs

0102887e-4fd2-4877-9b72-98eb84eb967e

A segunda parada foi na Cachoeira dos Veadinhos, onde fica o melhor poço para banho, e encontramos até a galera do pedal. Ficamos por um pouco mais de tempo nela.

bloggif_5c90165fb1791.gif

Não achamos a trilha difícil não, apenas um pouco cansativa. O fato de estar bem quente, faz parecer pior.

0C598648-3B40-45ED-B8DD-0B547F4292D0.jpg

A terceira queda, a Cachoeira do Lageadão, que eles contam como duas, tem a parte de cima, boa para fazer imagens do drone, ficar pensando na vida… e a parte de baixo, cuja descida é literalmente se agarrando em raiz e cipó, onde tem o poço. A queda é bem forte!

IMG_7924.jpg
Parte de cima
IMG_7927
Parte de baixo (Efeito foto LIVE do Iphone. Modo Alta Exposição)

Seguimos depois para a Cachoeira dos Bugres – cuja subida apelidamos de subida do ‘The Monio’. Essa só dá pra curtir a parte de cima, mas claro, veja na foto abaixo, curtir literalmente.

IMG-1427.JPG
Vista do drone, sentados na borda da queda!

Na minha humilde opinião, não façam isso rs Meu lema é “aventureira sempre, não idiota”…

O visual é incrível, apesar de os pinheiros serem considerados pragas na região, uma porque não são nativos de mata brasileira, vieram do Canadá, outra porque sugam muita água e nutrientes da terra, o que prejudica o restante da vegetação.

Acho que quando olhamos o conjunto da obra, ficamos ainda mais encantados.

IMG_1444.jpg

Última parada, Poço Fundo. Dizem que nem os bombeiros conseguiram encontrar o fundo desse poço, devido à pressão debaixo d´água. Mas para nadar, liberado, se joga!

Há uma queda d´água também, que não dá pra ver do Poço, é preciso descer as pedras para acessá-la.

IMG_1476.jpg
Poço sem fundo
bloggif_5c90159c36cf0.gif
Todo mundo merece seu próprio gif

De lá, seguimos a trilha final até o estacionamento. A trilha não é ida e volta, em resumo, damos uma volta do início ao fim.

IMG_1503.jpg

Pegamos o carro e seguimos para o cafezinho de Dona Augusta… Aliás, fome? Temos!

Casa simples, gente simples, comida simples… que vida boa ôôô, que vida boa! Tomamos uma cafezinho muito bom, com calma, por R$15. E lá você pode usar o banheiro também.

Nesse dia, o fim de noite foi com pizza e jogando mau mau – jogo criado para criar discórdia entre família e amigos!

Gasto dia: R$75/ pessoa – guia + café da tarde + pizza

Cachoeira do Navio, Cachoeira do Erva Doce, Cachoeira do Sobradinho (Véu da Noiva) e Cânion de Jaguaricatu

Enfim, acho que foi o dia que eu mais gostei. Lembra do casal de amigos que conhecemos no primeiro dia? Foi dia de reencontrá-los e foram super legais de nos levar para o roteiro de hoje.

De Sengés, foram cerca de 15 minutos até à Cachoeira do Navio. Achamos um lugar muito gostoso e ótimo, por ser muito perto.

00b7b36e-3ead-460d-a6bc-04b9a6f15cad

Você pode descer até a base da queda, mas não é o caminho mais fácil, tem que tomar cuidado e ir devagar. Além disso, a correnteza é bem forte.

É nesse rio que é feito o rafting do Encanadão, que só fiquei sabendo que existia quando cheguei lá… apesar das chuvas, o rio não estava tão alto. Assim tenho mais um motivo para voltar.

IMG_7990.jpg

De lá, seguimos para a cachoeira do Erva Doce, que fica no bairro do Erva Doce. Vimos vários lotes, como se fossem pequenas chácaras por lá. É um bairro bem rural.

Deixamos o carro na rua-estacionamento e caminhamos em trilha “creme de avelã famoso” por cerca de 5 min.

IMG_8021.jpg

A faixa de areia é bem pequena e no poço a água bate na canela. Muito bom para crianças. Aliás, até encontramos algumas.

A queda é bem bonita, pena que não bate muito sol ali, fica bem gelado…

Da estrada já vemos a maior de todas, a mais famosa, musa… Cachoeira do Sobradinho (ou Véu da Noiva). Os moradores de Itararé e Sengés escolhem os nomes que querem, então muitas tem dois nomes. Rola uma certa briga entre as cidades.

A entrada leva à uma trilha, fácil também, que leva à queda. Essa é surreal! O lugar todo é incrível.

A queda é bem forte, ainda que soubemos que nem estava no seu máximo. O poço é muito grande, tem as bordas rasas e o meio, fundo. Tem vegetação à volta e algumas pedras para sentar.

IMG_1697

Fiquei encantada e agora é a minha segunda cachoeira favorita no Brasil… a Casca D’Anta, em MG, ainda é minha musa maior!

Foi onde passamos maior parte do dia… sem pressa. De lá, seguimos para a parte alta da queda.

1a2ef87b-3d0f-4501-ad42-4840227551e6
Vista de cima

Tem sinalização? Não. Tem mata? Sim. Pode ter cobra? Também. Afinal, é natureza…

Seguimos de carro por 3km estrada acima, deixamos o carro em um canteiro e como o Carlos, nascido em Sengés, sabia o caminho, nos embrenhamos no mato até o início da queda. As pedras lembram o Vale da Lua na Chapada dos Veadeiros (que conheço por foto).

IMG_5671.jpg

Há algumas piscininhas para banho e podemos chegar bem perto da borda, embora eu não aconselhe. Quando você chega perto, as pessoas lá embaixo gritam “Sai daí seu filho da @#&*!” kkkkkk

Satisfeitos, seguimos para o Cânion do Jaguaricatu. Não seria possível ver o pôr do sol, que se punha do lado oposto, mas a luz ainda era muito boa. Mas antes, uma grata surpresa – campos enormes de soja, amarelos… um céu azul de doer e um coração grato à Deus pelos dias lindos.

A trilha, também, é muito fácil. O mirante é bem largo, cabe muita gente, mas, ficamos a sós! Ver aqueles cânions gigantescos, com paredões de até 80 m, por onde o rio corre… é divino.

IMG_8232.jpg

Certamente eu tirei uns minutos para deitar, fechar os olhos e me desligar por um momento.

Me apaixonei! Meu primeiro cânion… meu ano cheio de primeiras vezes já.

aeea6b02-40a2-4093-8c40-cc47431bd49dIMG_5837

Voltamos para o hotel gratos ao Carlos e à Bel, que nos levaram, foram super gentis e nos fizeram lembrar o porque viajamos. Foi um dia delicioso e custou vários nadas!

Gasto do dia: R$15 – lanche + bebida (jantar)

Mirante da Cachoeira do Corisco

Não teve! rs Pessoal resolveu acordar tarde, sabe? Fiquei brava, sim. Reclamei? Um pouco. Mas eu voltarei!

Enfim, fica essa dica para quem for – visite o Mirante. Você vê a queda de longe apenas, mas pelas fotos e relatos, vale a pena.

52039525_391229428100905_4215019601651101386_n.jpg
Foto: Deskgram

Custo zero!

Em suma

Dicas para todas as atrações: leve lanchinhos, água, isotônico, use bota ou um bom tênis e lembre-se, você vai se molhar. Um boné também não é nada mal, apesar de que há muita sombra. REPELENTE é essencial!

Se você mora no Sudeste, Sul ou MS, vale muito a pena ir de carro. É um destino que ainda vai ser descoberto… aproveite enquanto ainda não foi.

Sem dúvidas, há mais o que conhecer na região, quatro dias é apenas um gostinho de tudo o que cada lugar pode oferecer.

Com medo do trânsito, pegamos a estrada cedo, mas nem precisava. Podíamos ter aproveitado mais a manhã. Se programe pra curtir tudo, deixa pra dormir quando morrer ou quando estiver em casa né?!

Mais fotos, vídeos e dicas dessa viagem, me segue lá no instagram @toindoatoaoficial

Espero que tenha gostado!

Dicas, sugestões de lugares novos e inexplorados, perguntas, deixe aí nos comentários 🙂

Bjão

Thaise

 

 

 

 

 

Pedra da Gávea e Mirante Dona Marta/ RJ – Como é a subida?

Você também tem aquele local que é quase uma necessidade conhecer? Pois é, subir a Pedra da Gávea era isso para mim até uma semana atrás. Quase como a Disney para muitos! rsrs

Não tinha ido ainda por falta de oportunidade – ano passado até entrei em um grupo, mas por motivos de falta de forças físicas, desisti da viagem no dia. E sinceramente, ainda bem que não fui.

Chegar até a Gávea, que fica na praia de São Conrado, é fácil – você chega facilmente de carro (há um bolsão para estacionar), de ônibus ou ainda, táxi. A Pedra fica no Parque Nacional da Tijuca, onde há uma guarita e o horário para visitas é das 8h às 17h. O ideal é começar a subida o quanto antes, tanto por causa do calor carioca, quanto pelo risco de muvucas, comum aos fins de semana. E sim, vá com um guia! Tem economias que não valem o risco ou riscos que não valem a economia, não sei.

A Gávea é a maior trilha à beira mar do MUNDO (chupa mundo!). Tem 843 m de altitude e tem, com certeza, uma das melhores vistas da cidade. Ela é temida por muitos por causa da famosa Carrasqueira, um paredão de 30 m onde é essencial usar as mãos para continuar. Subi-la com medo é até bom, um pouco de medo nos coloca no devido lugar, sejamos aventureiros sim, idiotas jamais. Para quem não quiser arriscar, o Seu Jorge está lá todo dia, com seu equipamento de rapel, pronto para encarar a subida ou a descida da Carrasqueira com segurança – R$40 (dois trechos) ou R$30 (apenas um dos trechos).

b09b52bc-73a7-4a06-8957-6e30e154ffd6

Eu acredito que todos conseguem subir, porém, além de superar o medo de altura (muitos trechos são verdadeiros abismos), é preciso um bom condicionamento físico. Há quem suba em 1h30 e há quem faça em mais de 3h – nós subimos em 2h14, parando pouco para descansar. Nosso guia disse que eu sou “sinixtra” e que eu devia subir correndo haha, combinamos de voltar para melhorar nosso tempo. O importante é subir, afinal ninguém está competindo, né non?!

O início da trilha é basicamente subida pela mata – e coloca subida nisso. O trecho de pedras começa mesmo na Carrasqueira e vai até o fim, no famoso platô. Você usa todos os músculos do corpo e não há uma pessoa que não se sinta realizada depois de ver o seu feito ao chegar lá em cima. As fotos você pode guardar para o fim, se concentre em subir e não desmaiar 🙂

4624d9b3-4232-4542-8bc0-6cd00c59251b.jpg

64c33ff1-dd61-4a4e-83d4-79e5bfced5bb.jpg

Qual é a melhor subida?

São dois os caminhos que levam ao topo – a Carrasqueira e a P4. Como não conheci a P4, fico com a opinião de quem a subiu – ela é mais arriscada, mas tem a vista da Garganta do Céu (Google it!).

Mas não se preocupe, por onde quer que vá, você chega lá! Cada parada é um queixo caído diferente. É vista da Barra da Tijuca, da Rocinha, do Leblon, da rampa de voo livre, de vários outros picos irados da cidade… é coisa demais para apreciar.

84b11a65-5e19-4496-a1df-b6a67e6a6c93.jpg

Chegada

No platô você tem a vista 360º da cidade, é onde você pode descansar, comer algo e tirar as duas fotos mais clássicas da trilha.

IMG_9982.jpg

À esquerda do platô, depois do merecido descanso, os corajosos – e que vão com guia – também podem conhecer a Orelha do Imperador. O trecho é, na minha opinião, tão lindo quanto perigoso, qualquer deslize pode se tornar um problemão, então só desça se tiver certeza.

IMG_9986

A Orelha é uma caverna – dá até para acampar nela – e tem, também, parte da linda vista. Rende um bom descanso e fotos à sombra.

04646172-8ea2-4d40-b509-31c2a7250420.jpg

As famosas fotos

Nós brincamos na viagem que, em alguns anos, as selfies matarão mais do que muitas doenças. Nós rimos, mas é de nervoso. Não se brinca com coisa séria, mas com um pouco de cuidado e moderação, você vai ter fotos incríveis e instagrâmicas (essa palavra existe?!)

7efbb000-6e48-44b7-8b11-53eeb375f181.jpg

Ao final, lá no topo, ficam os trechos mais perigosos: a Cadeirinha e a Pedra do Raio. Qualquer descuido pode ser fatal! Na Cadeirinha eu nem sentei, já na Pedra do Raio… Ainda bem que minha mãe não gosta de internet!

d0176adf-3ab8-4c27-ba56-a75d259fb441.jpg

Agora saiba que se os bombeiros tiverem que subir ou mandar um helicóptero pra socorrer alguém, esse alguém vai ter que aguentar o maior esculacho e com toda a razão.

O que levar?

Essa é a lista do que levei:

  • Água
  • Lanchinhos (não há nada por lá)
  • Protetor solar
  • Bota de trilha
  • Roupa confortável
  • Óculos de sol

O ideal é começar a descida cedo, já que o tempo de descer é quase igual ao da subida, mas agora com o cansaço. Ao fim da trilha, quase na entrada, à esquerda, há uma queda d´água para um banho bem refrescante, finalizando a aventura.

Acesso

O acesso à trilha é livre e gratuito. Caso queira subir com o guia, é preciso contratá-lo antes. Eu super indico nosso guia, Beto (@beethovennorberto) que conheci no nosso amado Instagram. Além de super paciente e responsável, tira fotos lindas! Se falar com ele, fala que leu aqui =)

Na volta, tomamos aquele açaí maravilhoso e voltamos para o apartamento. Depois da Gávea, duvido você querer qualquer outra coisa rsrs

Mirante Dona Marta

Para aproveitar o domingo, já que estávamos na cidade, acordamos às 3h30 para ver o nascer do sol no mirante. Por motivos de força maior, acabamos chegando tarde e vimos só o amanhecer, o que já foi bem legal. A vista da esquerda é da Baía de Guanabara e Pão de Açúcar e a da direita, o Cristo. Dali se vê também o Maracanã, a Gávea e o morro Dois Irmãos.

A estrada que leva até o mirante é asfaltada e sinalizada. A entrada do mirante é à direita e o da comunidade, à esquerda, ou seja, você não precisa ficar com medo de entrar em local desconhecido. Eu também indico que você vá com um morador que conheça o lugar ou guia, garante mais tranquilidade à sua visita.

f3fca974-e3b0-4109-9d82-f5a1631a0cb8.jpg

Quanto antes você subir, mais chances de ter exclusividade nas fotocas e também, pode apreciar com calma o céu se abrindo lindamente.

O local, que abriga um heliponto, foi usado na gravação do DVD do Natiruts “Acústico no Rio de Janeiro”, que todo mundo ficava tentando descobrir onde era; agora eu entendo o motivo.

2f3f8d77-f375-45fb-a23f-aac6fbd5e48d.jpg

O mirante e o estacionamento também são gratuitos, não tem desculpas, vai?!

Só sei dizer que me senti mega realizada, há 3 anos namorando aquela rocha, pensando na vista. E ainda é melhor saber que todas as trilhas anteriores têm me preparado para as maiores e melhores. Rumo ao Everest haha! Vá com tudo galera, o céu é o limite!

E aí, gostou? Vai encarar? Se for me conta.

Obrigada pela companhia na leitura, espero que aproveitem as dicas.

Bjão, Thaise

@toindoatoaoficial