Serra da Canastra: Um parque nacional cheio de diversões

Você já ouviu falar da Serra da Canastra?

Esse é mais uma daquelas cidades de Minas Gerais ricas em cachoeiras, paredões, belas vistas, queijos e muito café. Não tem como você não curtir!

Aiuruoca, Capitólio, Carrancas e suas estradas reais, Monte Verde… viagens baratas, cidades imperdiveis… MG tem muitos dos melhores destinos do Brasil.

E o melhor… nem precisa desembolsar muita grana, nem planejar demais.

na estrada da serra da canastra.jpg
Hábito comum: sentar na estrada

Em Setembro/ 2018 fui com dois amigos para aproveitar 4 dias de folga lá.

Planejamos só hospedagem mesmo, deixamos para decidir tudo lá e ver quais surpresas teríamos…e deu certo!

Parque Nacional da Serra da Canastra

A Serra da Canastra fica dentro de um Parque Nacional, com quase 72 mil hectares abertos à visitação.

Existem 73 parques nacionais no Brasil.

O parque foi criado em 1972 e está dividido entre as cidades de Capitólio, São João Batista do Glória, Delfinópolis, Sacramento, São Roque de Minas e Vargem Bonita, e também preserva a nascente do Rio São Francisco.

vista das estradas_Easy-Resize.com
Canastra: Toda vista é linda

O lugar é ideal para o turismo de aventura e birdwatching – observação de aves.

Alguns locais no Parque da Serra da Canastra podem ser acessados de carro próprio, outros apenas com carros 4×4 e alguns apenas com guias.

Como chegar?

A melhor forma de chegar é de carro, cerca de 7h de estrada, saindo de São Paulo.

Para quem sai de SP, o melhor é seguir pela cidade de Arceburgo.

Sempre uso o site do Mapeia para calcular rotas, valores de combustível e cálculo de pedágio, é fácil e de graça. Aliás, se você sofre para calcular quem deve o que pra quem nas viagens com os amigos, dá uma olha no aplicativo SPLITWISE. 

Inclusive, deixei algumas dicas de apps para facilitar suas viagens nesse post aqui.

Uma outra dica para quem não mora em nenhuma dessas cidades é seguir até BH e alugar um carro para seguir viagem.

O Buser, o app do ônibus, tem saídas para Belo Horizonte saindo de SP e RJ, aproveite e se cadastre para garantir sua primeira viagem GRÁTIS.

Onde ficar?

Há opções de hospedagens em todas as cidades no entorno do Parque, mas as cidades com mais estrutura são São Roque de Minas e Capitólio, essa mais longe do que vamos conhecer dessa vez.

No Booking você encontra algumas boas opções. E com esse link abaixo, você e eu ganhamos descontos.

https://bit.ly/328xalq

Quer uma recomendação? Pousada Canastra. Fácil acesso, confortável e a melhor parte, pra mim, foi conversar todo dia com o dono da pousada, o André.

Ele, além de ser apaixonado pela terra em que vive (ele não é de lá) também colaborou muito com a criação do parque e intermediou as conversas entre governo e comunidade local. Ele sabe tudo! Aprendi demais.

Pagamos R$600 por 3 noites em quarto quadruplo, com café da manhã e estacionamento.

Quantos dias ficar?

Sempre acho pouco, mas 4 dias inteiros em uma dessas cidades, conhecendo o seu entorno, tá bem bom pra começar.

O Parque, assim como todos os outros, tem atrações para muitos dias de visitas.

casca d´anta_Easy-Resize.com.jpg
“Óh Minas Gerais…”

Quando ir?

As temperaturas são amenas o ano todo e as chuvas ocorrem mais entre Dezembro e Fevereiro.

O período de Abril a Outubro é o mais aconselhado pelo próprio ICMBio, órgão responsável pelo Parque da Serra da Canastra e muitos outros.

O que fazer na Serra da Canastra?

Hospedados em São Roque de Minas, fizemos o seguinte roteiro:

  • Cachoeira do Cerradão
  • Chapadão da Canastra e Cachoeira Casca D´Anta
  • Cachoeira Antônio Ricardo e Cachoeira do Nego
  • Rolezinho no centro

Dia 1: Cachoeira do Cerradão

Deixamos as coisas na pousada, almoçamos e seguimos para essa cachoeira, que fica em uma Reserva Particular de Patrimônio Natural.

A área é própria para caminhada e esse é um passeio de meio dia.

cachoeira do cerradão_poço_Easy-Resize.com.jpg
Uma das maiores cachoeiras da Canastra, a Cerradão

Na portaria há uma recepção e banheiros e as trilhas que levam à cachoeira são fáceis e com placas indicando a direção.

As visitas podem ser feitas das 8h às 17h e são permitidas apenas 60 pessoas/ dia.

Essa é uma das cachoeiras mais altas da serra, tem 202m altura. A área é totalmente preservada!

cachoeira do cerradao_gopro_Easy-Resize.com.jpg
Água gelada e rolê sem muvuca

É permitido nadar na piscina natural que a cachoeira forma e dá pra subir um pouquinho mais acima, pelas pedras.

Valor: R$20/ pessoa

Dia 2: Chapadão da Canastra e Cachoeira Casca D´Anta

Seguindo até Vargem Bonita, a cerca de 28 km da pousada, pegamos a estrada que segue o mesmo curso do Rio São Francisco, para encontrar o famoso e lindo Chapadão da Canastra e em seguida, curtir uma das cachoeiras mais lindas do Brasil.

Serra da canastra_Easy-Resize.com.jpg
Que visu – Chapadão da Canastra

O Chapadão pode ser visto por todo o trecho e há alguns pontos bons para tirar aquela foto.

Seguindo até a entrada do parque você ainda passa pelo Mirante da Serra da Canastra e é ali também que fica o camping mais famoso da região, o do Tio Zezico.

Para ter acesso à parte baixa da cachoeira, é preciso deixar o carro no bolsão e passar pela portaria do parque. O valor para acessar qualquer entrada do parque é de R$10 para brasileiros.

A trilha até a base da cachoeira é de 3 km e no percurso você pode aproveitar e tomar banho nas pequenas piscinas formadas pelas águas do Velho Chico – que privilégio.

A força da queda impressiona, então, se for nadar, todo cuidado é pouco. Há uma placa indicando que no poço há 4 sumidouros que podem sugar por até 60m. O perigo é extremo.

vista da cachoeira casca d´anta.jpg
Blogayra feelings – Casca D´Anta

Há uma outra trilha que leva à parte alta, cerca de 4,5 km de subida, tem que estar com tempo e pique. Deixamos para uma próxima.

É mais indicado subir à parte alta se você quiser nadar.

Acho que é a cachoeira mais linda que já vi – estou em dúvidas entre essa e a Véu de Noiva em Sengés/ PR. Que que você acha? Verdadeira definição de TANTO FAZ?

Na volta, uma parada obrigatória no Restaurante Original, com comida boa e preço justo (coma à vontade por R$35), redes do lado de fora e uma vista matadora do chapadão. Não percam!

Dia 3: Cachoeira Antônio Ricardo

Estávamos afim de uma trilha um pouco mais desafiadora.

Encontramos, então, na noite anterior, a agência Canastra 4 You, na praça da igreja.

trilha cachoeira antonio ricardo_Easy-Resize.com.jpg
Vista da trilha, zero sombra…

Essa cachoeira fica dentro de uma propriedade particular no município de São João Batista da Glória e só pode ser acessada com um guia local.

São 25 km de estrada, sem placas, e duas horas de caminhada – leia subida – com quase zero sombra e um terreno irregular. Do jeito que eu amo né?! Não, não é uma trilha fácil, não posso mentir. Não indicado para pessoas com medo de altura.

A primeira parada já mostra um mirante incrível e uma queda d´água fresquinha e própria para beber.

mirante cachoeira antonio ricardo_Easy-Resize.com.jpg
Que lugar Brasil, que lugar…

A cachoeira é linda, tem 80m altura e o poço é excelente para qualquer tipo de nadador – como eu, que não nado.

Passamos o dia lá e voltamos antes do por do sol, para evitar qualquer dificuldade na trilha. Não havia mais ninguém lá.

Encontramos um filhote de cascavel debaixo de uma das pedras. Ninguem quer ser picado de cobra em um local tão longe e de difícil acesso, o resgate seria bem complicado, mas é um risco se você quer e gosta de trilhar.

Como contratamos o guia, ele sabia exatamente o que fazer e isso garantiu nossa segurança. Fora isso, encontramos alguns vários carrapatos, mas um bom repelente já resolve esse dilema.

Voltando para a cidade, passamos em uma fazenda onde fica a Cachoeira do Nego, a cachoeira é pequena, porém, o local todo é bem gostoso para caminhada, curtir o verde e até nadar.

Trilha Cachoeira do Nego_Easy-Resize.com.jpg
Caminhada tranquila até a Cachoeira do Nego

Com exceção da placa “cuidado com o touro”, foi tudo bem tranquilo rs Não pagamos para entrar e não encontramos ninguém lá.

Como a fazenda fica em um terreno alto, aproveitamos aquela vista linda até que a chuva começou a cair.

Que lindo e gostoso ver a chuva caindo no cerrado, que cheiro delicioso, mas, por segurança, entramos no carro. A incidência de raios ali ia ser bem alta.

cachoeira do nego_Easy-Resize.com.jpg
O lugar realmente é muito bonito. Vale essa visita, mesmo depois de andar tanto. Foto: Thiago Lopes (nosso parça, estava com a gente)

Esse foi o passeio que eu mais gostei.

Ao final do dia, passamos na agência, onde também funciona a Queijo, Café & Prosa, dos mesmos donos da agência.

Ficamos algumas horas ali com eles, comendo, bebendo café local e cerveja artesanal, também feita na Canastra e jogando conversa fora.

Guia: R$75/ pessoa

66f59dff-82f9-44aa-b429-9cfbc72757dd.jpg
Uau! Foto: Thiago Lopes

Cachoeira do Fundão: a mais escondida da Serra da Canastra

A ideia no quarto dia era conhecer a cachoeira mais escondida da região, a cereja do bolo da Canastra, a Cachoeira do Fundão. Porém, nem todos os meus argumentos convenceram o Hugo a nos levar lá.

Cachoeira do Fundao_Canastra.jpg
Apesar do efeito alta exposição dessa foto, o pessoal lá diz que é linda assim mesmo. Foto: Flickr

Estradas perigosas e em más condições, risco de chuva, enfim, nada feito. Foi a minha frustração e até hoje eu o marco em fotos do instagram, cobrando a visita.

Agora ele disse que está liberado e que posso voltar. Será?

Quem topa?

Fazendas de Café e Queijo

Não pudemos visitar nenhuma delas, porém, era o que mais víamos nos caminhos de terra – cafezais.

A cidade tem diversas opções e não é nada difícil achar um bom café local para comprar.

Há diversas lojas de queijos produzidos na região, para todos os gostos e bolsos.

Encontramos um, que nem lembro o nome, que foi até ganhador de um concurso na França. Très chic!

Sabia que existe até pudim feito de queijo canastra?

queijo canastra_frança_Easy-Resize.com.jpg
Queijo canastra premiado na França (R$60 – 1/2 kg)

Se puder, inclua uma visita em seu roteiro. Encontrei esse post sobre o assunto.

Onde comer?

Durante o dia e nas trilhas leve seu lanchinho e água, não há opção pelo caminho, com exceção de alguns poucos restaurantes.

Em São Roque almoçamos no primeiro dia na Estalagem Guia Lopes, no centrinho, por R$13.

Tomamos um ótimo açaí todas as noites no centrinho também, por caríssimos R$7 (300 ml). Perfeito!

Por fim, depois daquele rolê no centrinho, bem pequeno – não se preocupe com mapas – é hora de dar tchau.

E não se esqueça:

  • Leve dinheiro em espécie, muitos locais não aceitam cartão.
  • O único banco da cidade é o Sicoob.
  • Se informe sobre as condições da estrada antes de seguir com um carro que não seja 4×4.
  • Leve seu lixo embora.
  • Leve na mochila: canga, óculos de sol, lanterna, repelente e boné.
  • Faça as trilhas de tênis.

O Brasil é lindo demais!

Espero que conheça esse lugar incrível, é daqueles locais do Brasil que, infelizmente, muitos gringos conhecem e a maioria dos brasileiros ainda não.

#TurismoNoBrasil

Deixe suas perguntas ou comentários abaixo e me conte o que achou do rolê. Obrigada por chegar até aqui!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Autor: Tô Indo à Toa - por Thaise Caires

Paulistana, curiosa e faço de tudo um pouco! Gosto de dar dicas e quiçá, compartilhar experiências sobre sair da rotina sem ter que viver a vida de outra pessoa. Viciada em café, dança e subir morro :) Compartilho tudo de viagens no meu instagram @toindoatoaoficial. Segue lá!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s